STEVE RICKZ FOI LONGE DEMAIS!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

 

E UMA RÁPIDA “VIAGEM” (SEM DROGAS) SOBRE A BISSEXUALIDADE

 

 

Ou assista aqui.

Steve é bissexual.

 

A bissexualidade ainda é um tabu e vai ser por muito tempo, e por centenas de motivos. Nem cabe enumerá-los porque este post ficaria maior do que lista de mercado do mês.

 

Um dos “problemas” é que a bicha, que finge que não é bicha, usa a “carapuça do bi” pra circular na sociedade com mais tranquilidade, pra ser mais aceita. Hoje em dia é até cool ser bi. Eu já fui um desses, acredite. Foi até uma estratégia para que eu pegasse alguns “bissexuais” que, no fundo, eram “umas tremendas bichas loucas”. 

 

Quem se prejudica nisso tudo é o “hétero”, que na verdade é bi. O bi convicto também se fode. Até o gay que certo dia descobriu que bucetas podem ser gostosas mesmo que ele curta um pau no cu ao mesmo tempo.

Eu sei, é tudo muito complexo.

Nós do movimento LGBTQKHBPIBT complicamos um pouco mais. 

 

 

6 thoughts on “STEVE RICKZ FOI LONGE DEMAIS!

  1. eu tenho 62 anos sempre fui assumido assivo mas talvez por timidez sempre muito discreto, uma coisa espontanea e não forçada. fui feliz e ainda sou. sempre falo que minha vida como gay passou por varias decadas de 1970 ate hoje e em cada uma delas presenciei monetos, vivencias diferentes, acho que curti quase tudo da vida gay menos usar dorgas.
    agora aos 62 estou espantado comigo mesmo descobri que tenho tendencias a praticar o bdsm como submisso – tô com um nó na cabeça mas se me conheço vou entrar com tudo nessa fase

  2. Eu nem sei mais o que eu me considero kkkkk tô evitando me rotular. Tenho vontade de transar com trans homens, com casal hétero, com casal gay. Acho que nós, os seres humanos, é que complicamos tudo colocando etiqueta de sexualidade nas pessoas. Seu post é cheio de preconceitos e pré-julgamentos, ao meu ver. Como se realmente vc soubesse 100% da sexualidade alheia. Na busca por tolerância, acabamos sucumbindo ao mesmo mal dos nossos opositores: preconceito e ignorância. Vejo muitos homens gays se valendo do famoso “gaydar” pra ditar a preferência dos outros. Ora, além de talento pra ajudar as Divas a baterem recordes no Spotify, agora temos o dom da Onisciência ? Uma comunidade subdividida não é uma comunidade. O que nos une são as letras da sigla ou é o amor e o respeito ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *