PENTELHOS?!: MICHÊ DOTADO VENDENDO MAIS QUE O “BODY”

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

 

Observando o michê Edu oferecer seus pentelhos a quem estiver disposto a liberar algumas notas, lembrei das histórias bárbaras que já ouvi (e vi) de manchas sem autoestima e com dinheiro na conta. 

Um conhecido adorava comprar cueca de boy usada. Pagava R$100,00. Às vezes R$200,00, se a peça estivesse bem “curtida”. Óbvio, o restante do salário ele gastava com cocaína e outros vícios. Gastava. Se matou em 2016.

 

 

Teve um caso do boy que vendia xixi. Sim, xixi! A gay, funcionária pública de carreira, pagava bem pelo material da primeira mijada da manhã do boy mais gostoso da sauna Lagoa na época. Como essas atitudes sempre demostram algum problema interior, esse também usou o plano funerário cedo demais. Não, não se matou. Foi atropelado na Avenida Berrini porque atravessou fora da faixa, olhando o celular. Provavelmente falava com algum puto porque era a única coisa que o distraía a tal ponto, segundo fontes amigas.

 

Voltando ao puto Edu, certamente alguém deve ter comprado os pentelhinhos dele, que no fundo pode ser os pelos de qualquer um, até de um cachorro, sei lá.

 

Caso tenha sido você, parabéns!!!

Você é um trouxa!

Ou assista aqui.

 

Ou assista aqui.

 

5 thoughts on “PENTELHOS?!: MICHÊ DOTADO VENDENDO MAIS QUE O “BODY”

  1. Infelizmente a mente de um gay e sua personalidade tem coisas inexplicaveis, eu tenho 62 anos e nunca consegui me relacionar com um gay assumido ( se conseguisse poderia ter hoje um companheiro e uma vida mais confortavel – oportunidades de viver junto e dividir tudo não faltaram ) mas infelizmente eu so me pensava que me saciava com miches e pegações de ” SUPOSTOS HETEROS “”” e agora aos 62 anos quando pensei que iria sossegar descobri que estou louco para praticar ( quer dizer que pratiquem em mim ) o SPANKING ( surrar a bunda ). E quando penso que sou meio louco vejo coisas e relatos de desejos piores que os meus. vida complicada essa nossa mas ao mesmo tempo acho prazeroza e me sinto feliz. vai entender?

  2. Essas situações me deixam tão triste. Um fetiche que ultrapassa a linha da sanidade, na verdade é uma doença. Me deixa triste o fato de tantos homens gays se rebaixarem a esse ponto, de comprar cueca usada, sacolé de mijo, de comer cocô de boy, de se humilhar, de ser trouxa. Conversei com um amigo meu sobre isso. Cadê o amor próprio da galera ? Homens que se dizem “hétero” acham que a boca de um gay está sempre disponível para ser preenchida com uma pica. Eles deixam ser chupados, gozam e no final do dia voltam para as esposinhas (coitadas, vítimas de sociopatas enrustidos) e para vidinha chata. Se nos encontram na rua, fingem que não nos conhecem. Pra eles, gays são depósito de porra e nada mais. E ainda tem poc que se vangloria de pegar “hétero”. Acho humilhante, vergonha alheia total. Com tanto gay gostoso por aí disponível, pra querer pegar michê sanguessuga e marginal eleitor de bolsonaro a pessoa tem que tá matando cachorro a grito.

  3. Quando eu era uma jovem poc, ainda preteen, roubei a cueca e guardei os pentelhos loiros de um cara.

    Não virou hábito, não criei fetiche em cuecas, mas adoro um pentelhudo higienico, igual o dono da cueca, que tinha uma profissão que as vezes exigia trabalho braçal e mesmo assim você nunca via ele fedido. A cueca, se não fosse pelo pequeno rastro do pré-gozo e pentelhos, poderia ser facilmente ser confundida como não usada.

  4. É cada história que a gente fica sabendo não é?!
    Eu sinto tesão em cueca, determinados caras eu gostaria de pegar a cueca, pegar com o consentimento deles, mas pagar por isso não, me lembro que vc Pietro, até contou que pegou a cueca de um colega de trabalho enquanto ele estava no chuveiro, não foi, vc ainda tem ela?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *