KIKO E O QUARTO SECRETO

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

 

 

Me arrependi no momento em que o gostosão da recepção me deu os chinelos e a toalha. Eu não estava preparado pra brincar de ser puto em uma sauna cada vez mais decadente. O dia já havia sido estranho, um poço de dúvidas e sentimentos confusos, tudo dando errado. Ao invés de satisfação e luxúria, eu veria apenas marasmo, melancolia e olhares perdidos. Mas, fiquei. Fiquei na esperança de encontrar alguém que inflasse o meu ego com um bom boquete ou um cunete caprichado. Mesmo com o cenário desfavorável, eu sentia que não sairia dali a seco. 

 

A situação da sauna realmente dava pena. Poucos e penosos clientes, boys em número maior, mas que não formariam dois corpos decentes se juntássemos as partes. Anos atrás, no mesmo corredor em que eu estava incrédulo, seria pisoteado por gays à procura de sexo e dinheiro.

 

 

O momento do “chega, desisto” foi quando dois putos resolveram discutir política no sufoco da sauna a vapor. Abri a porta e ele estava lá fora, no chuveiro, com a boa rola balançado conforme ele se ensaboava. Apenas cumprimentei. Não curto repeteco, nem em situações complicadas. Além disso, tirando o pau, o cafuçu não tem mais nada que me atrai. Mentalmente eu o chamo de Kiko, porque ele me lembra muito o personagem mimado do seriado Chaves.

 

 

Neguei todas as idéias dele para um sexo rapidinho. Não quis trepar no vapor, tão pouco chupar o pau dele no banheiro. Eu ainda esperava que algum putinho perdido aparecesse e, como um animal, me pagasse em algum canto do puteiro.

 

Mas, Kiko insistiu e isso me cativou. Gosto quando o cara faz algum esforço para estar dentro de mim. Ele me levou para o quarto secreto dos boys, um lugar em que os michês cometem pequenos delitos e transam entre si. O tal quarto é quase uma lenda urbana na sauna e poucos falam dele. Eu, mesmo experiente em investigação, ainda não havia descoberto o esquema.

 

Entrei no tal quarto prometendo apenas uma chupada. Não estava preparado, de todas as manieras, para o sexo anal. Mas, Kiko insistiu, e o meu coração devasso é muito fraco. Ainda estava cativado pelas atitudes dele. Então, fiquei de quatro enquanto ele encapava o amigão. Fingi que acreditei no “conto da cabecinha” e me entreguei totalmente quando a foda ficou mais pesada. Gostei da visão: meu rosto colado à cama, meu rabo lindamente empinado, e o puto fodendo como um coelho adolescente. Tudo refletido nos espelhos.

 

Pronto, mais uma vez o sexo me deu vida nova. Meu humor mudou completamente. Eu poderia sair saltitando em meio aos putos, dançar, cantar. Minha energia estava renovada.

Kiko me salvou e juro que me casaria com ele ali mesmo, se eu pudesse.

 

Claro, pediria o divórcio no dia seguinte. 

 

One thought on “KIKO E O QUARTO SECRETO

  1. olha só o quarto existe
    obrigado mesmo por compartilhar sobre o achado dessa lenda
    só podia ser mesmo vc p/ conseguir 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *