MYLES LANDON ARROMBA ASPEN // E OUTRAS HISTÓRIAS

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

 

Aspen parece ser um daqueles “gays for pay” que necessita reafirmar sua sexualidade a todo momento, mas no fundo, bem lá no fundo, entra em transe com as rola imensa que enfia nos cu. De vez em quando come uma buceta, prestando conta ao amigo “gay for pay”/hétero. Mas, na verdade, seu sonho é transar com esse amigo. Ele usa as orgias para se aproximar, ver o pau duro, encostar discretamente. Está pouco se lixando para a piranha que está embaixo dele.

Curte a boate gay, “apenas por causa do som”, mas geralmente amanhece em algum motel, ou na casa do um “parça” que acabou de conhecer. No decorrer dos anos, vai afrouxando o seu conceito de sexualidade. Começa a falar para alguns mais chegados que é bissexual, mas não transa com uma mulher há séculos. Em pouco tempo se apaixona por algum cara que conheceu na academia. Decidem morar juntos, primeiro como “brothers”, depois como “parceiros de foda”. Quando o ciúme vira o terceiro elemento da relação confessa seus sentimentos. Pouco tempo depois fazem um chá de panela. Agora são marido e marido.

 

Vi dezenas, dezenas, de casos assim. Putos que só deixavam as mariconas mamarem e, em pouco mais de um ano, já rebolavam nas picas maduras dos seus patrocinadores. Quantos, my God.

 

No último sábado cruzei com um deles. Na sauna relatava, com detalhes, suas transas normativas. Depois,  passou para a caça em apps de pegação. Se “juntou” com outro puto e recentemente celebrou o amor em um vídeo de no site Bosta Mais.

 

 

Continua…

 

DOWNLOAD

 

Pietro Damasceno

6 Comments

  1. SHY, que coisa meu amigo, esses que reprimem a gente tempo todo que são os piores, passei as mesmas coisas que vc, a repressão, a escala tbm esta igual rsrs

  2. Hahahaha bem isso mesmo! Lembro quando eu era criança e meu irmão me policiava por eu ser um pouco “delicado”. Eu ficava constrangido, triste. Sofria bullying a beça na escola. Mas nunca fui bicha louca rsrs de uma escala de 1 a 10, sou 4 no nível de delicadeza. De uns anos pra cá, meu irmão começou a se preocupar com o corpo e fazer academia. Achei estranho porque ele sempre foi sedentário. Reparei algumas coisas “diferentes” e cheguei a conclusão que ele malhava para ficar em forma para algum homem ou seja, comecei a pensar que ele era gay. Num dia de almoço aqui em casa, ele me chamou pra conversar em particular no quarto dele e se assumiu pra mim. Nessa época, ele já estava até morando com um rapaz e ninguém sabia kkkkkk as voltas que a vida dá. Me reprimia na infância, mas é mais putinha do que eu kkkkk me confessou que um amigo dele (de Singapoura) que foi dormir uma vez lá em casa, era na verdade, um peguete (e na época eu nem desconfiava dele). Exatamente como vc falou, a necessidade de autoafirmação na verdade é uma insegurança. Hoje ele diz que gosta de caras másculos como ele, mas ele veste legging masculina, faz as unhas, adora as Divas do Pop, se depila…… não vou estranhar se ele virar travesti daqui a alguns anos!

  3. Chega perto, encosta pica na pica… hum… me lembrei dos tempos que assistia pornô hétero. Enquanto as moças se acabavam no lésbico, os caras ficavam se fazendo de héteros. Daí quando percebi que os caras tinham uma sexualidade muito mais mal resolvida que a minha, decidi largar de vez o pornô hétero. isso ainda bem que faz tempo.

  4. Hahahahaha……………

    Seus relatos com um sarcasmo bem ácido são os melhores!

    Cuidado que as adoradoras de “héteros” que só usam o pinto como um pingente, podem não gostar de perder a fantasia de sua “melhor foda”, já que esses “héteros” podem acabar “virando gays”!

Deixe uma resposta