CINCO DEDINHOS

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

 

Todos os meus dedos já estavam dentro dele. Não pude acreditar quando a mão entrou. Eu beijava as costas suadas como se fosse ele um tesouro. Beijava a sua boca venerando cada centímetro daquele corpo. Sua barba perfeita espetava os meus lábios; os beijos eram violentos. Tirei a mão delicadamente. O cu era tão apertado que não demostrava qualquer sinal da “violência” da última hora. Pedi que lambuzassem a minha mão enquanto eu fodia aquele buraco com a língua, com os lábios, com os dentes. Esfregava todo o meu rosto no cu, sentia o cheiro do prazer. Que homem perfeito! Meus dedos escorregaram novamente para dentro. Massageei a sua próstata, esfregando a minha língua com a dele. Gozei, pela quarta vez, mas o meu pau continuava duro. Exausto, percebi que a platéia de safados quase me aplaudia. Me despedi. Não perguntei o nome, nem idade, nem nada. Seu cheiro ficou comigo pelo resto da noite. Seu corpo ainda está na minha mente. “Suas carnes quentes” ainda estão nos meus dedos.

 

Foi o melhor parceiro que já tive em um clube de sexo. Não só pelo corpo sarado, mas pela sua disposição. Ele fez tudo o que eu quis. Entrou ali para dar prazer. Podia ter escolhido qualquer cara, mas fez de mim o seu macho. Me deixou meter, gozar, respirar e meter de novo. Inacreditavelmente, o orgasmo não me cansava, pelo contrário. Meu pau, mesmo após cuspir, continuava duro e querendo mais. Foi a primeira vez que isso aconteceu. Sempre achei que era uma lenda dar duas, três, sem tirar. Nossa química foi tão intensa que ninguém se intrometeu.

Tivemos espectadores e punheteiros, não parceiros.

 

Fistar um macho é uma das melhores práticas no sexo. 

Você deve experimentar!

 

4 thoughts on “CINCO DEDINHOS

  1. Pietro que relato foi esse?! Tbm achava que dar duas ou três era lenda até que aconteceu comigo, essas “químicas” são ótimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *